30 setembro 2005

Os únicos cds que não me canso de ouvir e, às vezes, chorar

(mesmo depois de muitos anos)


Ligo tanto a signos como a futebol. Esta semana, descubro que uma colega com quem nunca tinha estado tem uma filha com o mesmo nome da minha e nascida na mesma semana.
Observação:

"Então também tens um Touro em casa?
Eu:"O quê?"
Colega:"A tua Maria também é signo Touro!"
Eu:"Ah..sim." (acho que nunca tinha pensado nisso)
Colega:"Agora imagina a minha sina: a minha filha é Touro e o meu marido é Carneiro!"
Eu:"Pois..."

Queria ter uma casa com o telhado em bico.

29 setembro 2005

Quase gripe

Tenho uma colega de 32 anos solteirona muito boa pessoa mas nervosa. As situações de stress provocam-lhe afrontamentos, como se de uma menopausa precoce se tratasse. Ontem o dia foi caótico e transpirava por todos os lados. O ar condicionado entrou em cena no máximo. A tarde toda nisto fez com que no final do dia me doesse a cana do nariz, a noite fosse um pesadelo e hoje eu esteja com uma constipação das que já não tinha há anos. E uma voz que nem comento...

Este mini-filme é cómico, mas vê-lo com a Maria é hilariante!

28 setembro 2005

Os furos das aulas eram passados aqui.


O centro comercial novo e da moda, na minha adolescência.

27 setembro 2005

Ir a Sintra é trabalho



mas nem parece.

...

Numa Escola:

Prof.ª: "O prof. do 2º ano não está este mês. Anda em campanha eleitoral."

Eu: "E quem o está a substituir?"

Prof.ª: "Ninguém. É só um mês."

Eu: "Ah..."

Há um ano

foi um dia muito difícil para mim. O regresso ao trabalho.

O meu e o teu.



25 setembro 2005

Andakibebé


Fomos as quatro. A Maria paralisou mal entrou na sala. A concentração era tanta que suspirava nas pausas. A prima Joana que deveria ter fome por aquelas horas, fixou o olhar nas luzes e oscilava entre a observação e o o ritmo da música. Lá mais para o fim a Maria alinhou numa brincadeira de comboio e já não saíu da primeira fila, em pé, a dançar. Temos de repetir.

23 setembro 2005

A tentar fazer um teste,

uma pergunta sobre guardar segredos.

An acquaintance tells you a very juicy secret about your best friend? Can you keep the secret?
1- Ummm, you can keep the secret for a few days... but that's it.
2- Nope, but not on purpose. You just tend to spill the beans.
3- No way, you tell everyone what you just found out about your friend.
4- If you told anyone, it would be your best friend... who deserves to know the gossip firsthand.
5- You would probably share the secret with a mutual friend, but that's it.

Cinco hipóteses e nenhuma contempla quem consegue mesmo guardar um segredo. Quando me pedem um segredo, não se conta a ninguém. Não acabei o teste. Será que posso confiar em alguém?

Andakibebé

Graças aos queridos pais da Alice, amanhã vamos ao nosso primeiro espectáculo musical. Ainda não fomos e já gostámos. De certeza.

Aviso ao Esquadrão G

Mantenham-se afastados do meu marido num raio mínimo de 100km. Obrigada.

Amanhece assim


Com o Sol a espreitar em cada prédio.

22 setembro 2005

Pronto, podes voltar.

De há uns tempos para cá que partilho um gabinete com mais quatro colegas. Sem janelas. Luz artificial o dia todo e algum frio, por falta de Sol. O Inverno ainda nem começou mas suponho que seja o primeiro ano em quatro que trarei golas altas e mantinha para os pés.

Cada pessoa tem a sua função e somos independentes uns dos outros. Tenho uma solteirona, uma casada mas mal amada, uma colega "junta" mas feliz e um colega dado a novelas mexicanas. Há dias e dias e este foi um daqueles em que o trabalho me ia dando cabo dos nervos e as conversas aqui não foram além do novo programa da Sic das ladies.

Nunca pensei vir a dizer isto, mas a minha antiga colega podia voltar, ficávamos só as duas na sala com duas janelas cheias de Sol e eu até ouvia João Pedro Pais todo o dia, se fôsse preciso.

Bem-vindo Outono.



Testes rápidos é o que se quer!




Your Personality Profile



You are elegant, withdrawn, and brilliant.

Your mind is a weapon, able to solve any puzzle.

You are also great at poking holes in arguments and common beliefs.



For you, comfort and calm are very important.

You tend to thrive on your own and shrug off most affection.

You prefer to protect your emotions and stay strong.



21 setembro 2005

Para a Margarida dos olhos lindos


parabéns e uma vida feliz.

20 setembro 2005

Fim de tarde





Descobertas

Pelo corredor, a arrastar os pés de cabeça inclinada e camisola levantada, de dedo no umbigo. Ele ali tão a jeito e só ontem é que me lembrei de o fazer reparar e ensinar o nome. O polegar está inseparável daquele orifício.

Uau!

Your Hidden Talent

You are both very knowledgeable and creative.
You tend to be full of new ideas and potential - big potential.
Ideas like yours could change the world, if you build them.
As long as you don't stop working on your dreams, you'll get there.


19 setembro 2005

Menina bebé.

Sentada no chão da sala, vem ter comigo e dá-me um beijo. Do nada. Depois, segue em direcção ao pai que ouve música sentado à mesa e fica em bicos de pés. Ele inclina-se e ela dá-lhe outro beijo. Sem ninguém lhe pedir, demonstra afectos quando quer.

Os parentescos como nomes

O meu irmão e a minha cunhada Marta tratam, desde sempre, a Maria por "sobrinha".
Habituei-me de tal maneira à expressão dos parentescos que agora todos os primos da Maria são tratados pelo nome, antecedido pelo parentesco. E dei comigo a dizer à Joana um "Olá sobrinha!".
Afinal, isto para além de ser diferente e até ternurento, não é de todo descabido. Se tratamos os nossos pais pelo parentesco, os tios também, e alguns até chamam aos irmãos de "mano/a", porque não terão os outros direito?

Xana,









a minha filha anda viciada nisto. De quem será a "culpa"?

Post sem mais nada.



18 setembro 2005

(porque tens muito tempo para ser crescida)

Mais do que capacidades superiores, o meu desejo para ti, filha é: seres uma criança absolutamente normal para a idade que tiveres. Nem mais, nem menos: uma criança equilibrada, feliz, curiosa, brincalhona. Quanto a proezas ou graças, teremos sempre orgulho, com toda a certeza. Mas nada nos deixará mais felizes, e a ti também, seres apenas uma criança. Como é suposto.

Lisboa à noite



16 setembro 2005

Regresso

A mãe galinha voltou, a Rita continua do outro lado. Que bom.

Com um abraço.

Em casa da Xana, fui recebida como se de uma velha amiga me tratasse. A Maria aprendeu, desajeitadamente, a arte de comer Cheerios e ainda demonstrou o tradicional arrepio (não é para todos...).
Eu comi um empadão de peixe delicioso mas do que gostei mais foi mesmo dos anfitriões. Tenho de me render: na blogosfera há pessoas que vale mesmo a pena conhecer.

Maridos...quem os quer?



e, com uma grande lata, pergunta-me:"Queres que faça uma lista de coisas que gostaria de ter? É que no teu aniversário, nunca precisas de nada; mas eu tenho sempre coisas para comprar..."

15 setembro 2005

T2 imperfeito.



A minha casa tem 30 anos. Foi remodelada há 4, mas continua com muitas características de casa antiga. As portas das divisões ainda são as de origem (pintámo-las de branco), os rodapés também foram arranjados e não temos ar condicionado nem aspiração central. A decoração obedece a um critério mais sentimental que outra coisa, dado que a maioria da tralha era da minha avó materna. As coisas não estão milimetricamente colocadas. Digamos que se nota que vive por aqui um casal com uma filha pequena.

Entusiasmo-me sempre que me ligam de uma das imobiliárias para uma visita. Enervo-me nos minutos antes, a arrumar o que está fora do lugar e constrange-me que olhem para as fotografias ou para a roupa no estendal. Quase sempre conto os minutos para que desapareçam daqui e me deixem no meu cantinho já tão pequeno para nós, mas feliz.

Ontem, apareceu por cá um rapaz com ar intelectual, tímido. Fez muitas perguntas acerca do local e gostou do mar na varanda e dos pássaros a cantar, na árvore. Pediu para tirar fotografias para mandar à namorada no estrangeiro e, à entrada do elevador, gaguejou ao dizer: "Parabéns pela decoração. Gostei das portas e da tranquilidade."

E foi-se embora. A visita até valeu a pena.

14 setembro 2005

Beijinhos e apertos de mão

Acho os beijinhos na cara como cumprimento a maior seca que existe. Uma coisa é a minha família e amigos, outra coisa são as pessoas que não conheço de lado nenhum. Acho um gesto íntimo, geralmente incomoda-me. No emprego só dou beijinhos nos aniversários e em situações mais formais é tudo corrido a aperto de mão.

Quando casei, mudei de Igreja. Em Moscavide, sem reparar, cumprimentei sempre os homens mais velhos com um aperto de mão. Um dia, o irmão Z.G., disse-me: "Já reparei, você não é nada beijoqueira. É cá das minhas."

Hoje, não é um desconhecido e merecia beijinhos. Mas o aperto de mão instalou-se de tal forma como cumprimento de amizade, que ficou.

Aperto no coração.

A minha colega V. deixou hoje a filha J., de 11 meses, pela primeira vez na Escolinha. A miúda desatou num berreiro e ela teve de a deixar lá, assim. Chegou destroçada e eu também fiquei.

(Depois de ler este e este texto, percebi que é mesmo assim...)

Há dois anos




era domingo. Levantava-me cedo em direcção à casa-de-banho e regressava para o quarto com duas risquinhas na mão. E sorríamos.

Ensinámos e aprendeu

"Sacode as mãos!"
(esfrega as mãos uma na outra)

"Onde está o teu nariz?"
(espeta o dedo e enfia-o na narina, às vezes ao lado, outras vezes acerta na ponta do nariz)

"Os brincos da mamã?"
(espeta os dois dedos e diz "hum" e mexe nos brincos)

"O arrepio?"
(este é já um clássico e todos ficam deliciados. Cerra os punhos, prende o sorriso e treme o pescoço com ar de esforço)

"Onde está a Maria?"
(tapa os olhos com as mãos; outras vezes, a velocidade é tanta que em vez de tapar os olhos, tapa os ouvidos)

"Como faz o índio?"
(mão na boca e HA!HA!HA!HA)

"Onde está o papá?" (ou outra pessoa que saiba o nome)
(aponta)

13 setembro 2005

Músicas que cantamos para ti e pareces gostar (15)

(com gestos)
A carga é pesada para levar
A carga é pesada para levar
E à montanha eu subirei
Se tu orares por mim.

Eu oro por ti
Tu oras por mim
Eu oro por ti
Tu oras por mim
E à montanha eu subirei
Se tu orares por mim.

Blogues que leio e gosto (5)

O dia a dia.
Eu e a Xana há muito que nos escrevemos. De timidamente passámos ao diariamente. Moramos quase ao lado uma da outra e esta semana vamos finalmente conhecer-nos, embora ela já se tenha cruzado comigo mais do que uma vez, sem coragem para se identificar (shame on you). Se a blogosfera muda uma vida, não sei. Mas que me tem trazido boas surpresas, tem. A Xana já é uma amiga e a maioria das suas citações também poderiam ser minhas.

Ao tio Luís (que faria hoje 50 anos)


Não há uma única vez que faça este caminho e apanhe o barco para a praia e que não me lembre de ti. Uma única.

Modo: Repeat

O meu pai ensinou-a a dar cambalhotas. Mal ouve o convite, coloca as mãos no chão, levanta o rabo e fica na posição à espera da ajuda. Depois não se cansa...

12 setembro 2005

Sintra

Tínhamos combinado fazer o teste no domingo de manhã. Era uma sexta-feira e o meu corpo teimava em dar sinais de uma gravidez pouco planeada mas previsível. Ia passar a noite com amigas à Pousada de Sintra (despedida de solteiro da Raquel e Sami) e, entre muitas piadas sobre o que se estava a comer, alguém me disse na brincadeira: "Até parece que estás grávida!". Ri-me com ar absurdo, e engoli mais uma vez em seco. Estávamos a 12 de Setembro de 2003 e aguardava desde o dia 8. Na mala, o teste comprado na farmácia e o pensamento, ao adormecer: "Já só falta mais uma noite para sabermos."

(testegravidezMaria)

9 anos e risquinhas decorativos

Quando me avaliam pelo carro que tenho, não vamos longe. Nada longe.

Hum.

O melhor de alguns fins-de-semana é saltitar entre amigos. O melhor de outros, à chegada do Outono, é pegar na manta do sofá e comer castanhas, sem relógio.

Externato Vera Cruz- à Estrada de Benfica

Fui para a Escola, se é que se pode chamar Escola ao Infantário, tinha três anos. Não me recordo bem do primeiro dia, mas tenho ideia das fitas que fazia pelas oito horas da manhã, quando um dos meus pais me deixava. E também me lembro de ter a noção do quanto gostavam de mim lá. E por isso, ao fim de cinco minutos estava a brincar, sossegada, na minha sala.

O edíficio já era antigo nessa altura, hoje nem sei bem quantos anos terá. Um rés-do-chão de um prédio habitacional com um recreio enorme nas traseiras. As portas de cada divisão tinha cada uma a sua cor. A cozinha era ponto de passagem para a brincadeira e lá bem no fundo era o gabinete da directora (D. Mercedes) e ao lado, um quarto com uma caminha para quando algum menino ficava doente.

A Eva era a educadora, a Fátima a auxiliar. Davam-me colo, tratavam de mim e já nessa altura tinham bem definidas as actividades para o ano. À quarta-feira era dia de levar os brinquedos que quiséssemos e não havia cadernos nem lições. Era o dia todo para brincar.

Às vezes, eu era a última a sair. Ia para casa da Fátima, mesmo em frente, que vivia com a tia. Foi essa tia que me ensinou a jogar às cartas e me colocou o gosto de comer macarrão na sopa com feijão.

Sei que a Fátima se licenciou pouco tempo depois e que quando a D. Mercedes morreu, ficou a dona do Externato. A última vez que o visitei deve ter sido há pouco mais de cinco anos. E na altura, longe da ideia de ser mãe, sei que pensei que aquele era um lugar onde gostava de poder deixar os meus filhos.

11 setembro 2005

NY

Hoje, 11 de Setembro de 2005, permito-me ser um bocadinho egoísta e recordar com saudade do dia que cheguei pela primeira vez a Nova Iorque e saio do metro, nas Torres. E do espanto, da enormidade e do encanto do cheiro doce que a cidade tinha. Apaixonei-me imediamente. Passados seis meses aconteceu o que se sabe e que mudou tudo. Pude lá regressar um ano e três meses depois. A cidade permanecia encantadora, mas subitamente com mais luz. Algumas lojas que frequentávamos já não existiam e só aí, nos apercebemos do alcance físico do ataque. Nova Iorque estava mais triste, mas nem por isso menos apaixonante. Voltarei lá, em breve.

Antes, Fevereiro de 2001.
A vista lá de cima.

No topo.

A vista junto ao rio.

A vista de barco.

Depois, Dezembro de 2002.
O vazio.

Um buraco.


Triste.

09 setembro 2005

Cenas da vida laboral

Colega mais velha: "Vou buscar um chocolate que hoje estou carente. Preciso de mimos e ninguém me dá!"

Resposta da solteirona cá do sítio: "Come um pacote de açúcar que isso passa!"

Perguntas e respostas

Perguntam-me: "Tu comes muita fruta ou é impressão minha?"
Resposta contida: "E tu, comes bolos a mais ou estou a ver mal?"

(Resposta dada: "Sim, adoro fruta!")

ups.

Afinal há saldos. Só nos falta o dinheiro.

Se o Cacém fosse uma doença

seria um cancro na próstata.

O primeiro dia na Escola

Leio os relatos ansiosos e os resultados do primeiro dia na Escola na vida da E., da L.zinha e da M., todas um pouco mais velhas que a Maria.
Esse dia ainda não chegou para nós. Como será?

(suspiro de alívio)

Há dois anos

começava a gerar-se um ponto de interrogação na minha cabeça que teimava afastar.

Bons sonhos

A minha bebé é o sonho de qualquer casal: com pouco mais de um mês dormia 8 horas por noite, com dois meses dormia 10 e com dois meses e meio dormia 12. Mantém-se até hoje, e este tempo chega a ser alongado até às 14, se por acaso o dia anterior foi mais cansativo que o normal.

Não acorda para beber leite e é bem disposta. Creio que temos alguma "culpa" nisso, a arte de dormir também se educa. De tal maneira, que não consegue adormecer de outra maneira que não seja na sua cama, sem ninguém por perto, rodeada de bonecos e aconchegada pela Minnie.

Daí que quando, por mero acaso, adormecemos ao lado uma da outra e lhe posso meter a mão pela barriga, e sentir na minha cara a sua respiração, nem me mexo. É sempre um momento muito mágico.

Crescida

Chamou-me e disse: "Anda cá vê-la dormir. Está tão comprida, já nem parece a nossa bebé."

Quando lá cheguei, esticada a dormir, sobrava pouco mais de um palmo para o fundo da cama.

O céu branco

e cheiro a mar, não só na varanda, mas na rua toda.

08 setembro 2005

Só para avisar:

O carteiro ignorou os meus pedidos.

Para a Xana

pregnancy due date

Exmo Senhor Carteiro,

é favor devolver ao remetente cartas provenientes da Esso Gás, do SMAS, da Loja do Condomínio, da EDP e da Netcabo. Obrigada pela atenção.

Dente nº 5 e dente nº 6

Os queixais estão a querer nascer. A pequena bebé nem dá por eles. Comento o facto, respondendo-me a médica: "Os dentes têm mais fama que proveito!"

07 setembro 2005

Na minha varanda

cheira a mar quando chove ou quando faz vento. E eu gosto.

Pérolas

Novela da TVI, Ninguém como tu, ontem à noite:

Pai da Dulce: "O que o Pedro fez foi um acto impensado!"

Dulce (a mulher traída): "Pai, um acto impensado é atravessar a estrada sem olhar para os dois lados. Não é ir para a cama com a irmã da mulher!"

Fazemos as contas...para as férias!



Chegou o Outono

dizem por aí. Mas podia ter enviado um aviso com uns dias de antecedência. Teria dado para arrumar a cómoda da bebé e perceber, com tempo, que cresceu muito e que as roupas do Inverno passado não lhe servem. Restam duas camisolas quentes, quatro de meia estação e dois pares de calças. Tudo muito à conta para a sua estatura de momento. Saldos, quando há?

06 setembro 2005

Perímetro cefálico:vamos no percentil 120.

O pai tentou por tudo convencer a doutora que somos todos muito cabeçudos. Falou nele, na mãe, nos irmãos e nos primos acabados de nascer. Percorreu ambas as famílias. A médica lá acedeu a tanta insistência e anotou os dados, finalizando:"Mas não pode continuar a crescer assim..."

(Nota: aumentou 1,5 cm desde Maio)

Vacina da meningite

A grande diferença da vacina da meningite é que agora é comparticipada, ou seja, não temos de a comprar previamente na farmácia.

Hoje, sem me aperceber, a Maria levou a terceira dose. Dei conta do facto quando a enfermeira, senhora ternurenta na casa dos sessenta anos, disse: "Esta agora é a terceira dose da Prevenar e da Neisvac."

Quando dei por mim estava a pagar 87€, em lugar dos anteriores 97€.É uma comparticipação e tanto, vim com os bolsos cheios de notas.

A eterna questão:

"Mas ela não usa chucha?"

Graças a Deus

É difícil quando crescemos com uma imagem. Mas quando penso bem a fundo no mau bocado que Jesus passou para podermos chegar a Deus, sinto-me triste. Mas depois feliz. É graças a Ele que podemos ter uma vida melhor e sermos um bocadinho melhores.

05 setembro 2005

.

Muito básico, mas importante: os bebés são todos diferentes e não há fórmulas mágicas.

Dúvida existencial

Porque é que as casas giras ficam em zonas feias e as casas feias em zonas giras?

As Mãos e os Frutos


Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade

04 setembro 2005

Sinais dos tempos

Começo a gostar do Outono.

Protesto

Depois de ter dado com o nariz numa porta e de a tia Raquel ter refilado com a porta por estar no caminho da Maria, agora passa por elas e levanta o dedo, sem se esquecer do sermão de autoridade.

03 setembro 2005

Margarida aka Guida


Regressando aqui ontem, recordei o dia há uns dois anos atrás em que, indo conhecer a colega de faculdade do meu marido, reencontrei a colega de liceu. Há felizes coincidências.

Foi há 16 meses

que tudo mudou.

02 setembro 2005

Da minha infância


A original é desta cor.

Trocadas.

Quando estou grávida toda a roupa para não grávida me parece gira.

Eu reformulo:

Agora que não estou grávida, até parece que há roupas bem giras para grávida.

Não há paciência (6)

Para homens vestidos com jardineiras. Com a alça desprendida, então, nem se fala.

(Maria, que dizes?)

O meu marido costuma dizer que a música que faz é pouco espiritual para quem é crente e demasiado espiritual para quem não é. Sinto o mesmo com este blogue.

01 setembro 2005

Há uns tempos,

indignada com qualquer coisa, o meu marido respondia-me que o Mundo era feito de preferências. É verdade, eu também as tenho, como condená-las nos outros?

Perguntas parvas, respostas parvas.

Quando me fazem perguntas parvas, a minha vontade era responder:

"O queijo limiano é um queijo...blábláblá"

Chegou

Setembro é um dos meus meses preferidos.