30 junho 2007

Reduzidos e espremidos

a duas malas,
uma cama de viagem
e um cesto com comida
(sim, três coisinhas),

vamos de férias!

Ié.

29 junho 2007

Adeus, que me vou embora.

Com uma barriga de 17 semanas, uma filha de 7 meses ao colo, carreguei dois caixotes de coisas cheias em 7 anos deste lugar.

Eu sou muito mais do que o que faço. Eu vou ser quem Deus quiser que eu seja.







28 junho 2007

2 anos

Parabéns sobrinha, grande companheira de cumplicidades com a Maria!
Vida feliz.


27 junho 2007

À terceira gravidez

até podia ter tido enjôos, mas nem tive tempo, com a Marta doente;
até posso ter sono, mas tenho duas filhas a gritar atenção;
até posso andar cansada, mas eu já estava cansada;
até posso ter fome, mas eu nunca páro quieta.

Há uma parte de todas as gravidezes que nasce na cabeça. E desta vez, não nasceu, apareceu. Habituo-me à ideia, aos poucos, dado que a maior parte do tempo me esqueço que estou efectivamente grávida, outra vez.

Objectivo para estas férias

levar o mínimo de coisas possível.

Preciso de respirar Cabanas

todos os anos, sem falta.

26 junho 2007

A filha mais velha

diz que quer uma mana mas que se fôr rapaz pode ser João e se fôr menina pode ser Matias.

(?)

Há quem não acredite

mas eu tenho cabelos brancos.

É uma tristeza

este facto.

25 junho 2007

Esquecemo-nos que crescem

A filha pequenina senta-se cada vez mais sem apoios, bebe o biberão sozinha, e hoje escondia a cara com uma fralda e reaparecia com gargalhadas, à espera de festa.

A filha crescida recusa-se a usar babete ("As duas Inês da Escola não usam e eu também não vou usar, mamã."), escolhe cuecas a condizer com os vestidos e quando vê os dvds que agora coleccionamos da Rua Sésamo, só se senta no sofá acompanhada dos respectivos livros e do Egas, o boneco.

Crescem depressa, crescem.

Nunca mais, nunca mais



Momentos inesquecíveis do meu fim-de-semana (3)

A Maria a dançar no concerto do pai e a cantar com as letras todas:
"A Isabel é intelectual porque perdeu a virgindade na Feira do Livro".

Momentos inesquecíveis do meu fim-de-semana (2)

O António, com 24 horas.

Momentos inesquecíveis do meu fim-de-semana

A minha filha crescida no palco a cantar e dançar, vestida de havaiana.

24 junho 2007

Ao domingo cantamos juntos

As ânsias te darei
As cargas desta vida te entregarei.
E quando eu não souber o que fazer
Lançarei sobre Ti meu viver.




Sexta-feira


foi mesmo um dia agitado aqui no blogue, hã?

22 junho 2007

A partir de Dezembro,

pagamos a quota anual da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas.
Acrescentámos uma barrinha lá em cima e não damos explicações sobre métodos contraceptivos.

:)

Eram seis e meia, nasceu o António.

Ainda gostava de saber porque é que fico mais nervosa com os partos das minhas amigas do que com os meus.

21 junho 2007

7 meses


Esta filha é uma riqueza. Não há bronquiolite que lhe tire a atitude feliz perante a vida, derrete-se só com o facto de ter companhia e nos ouvir conversar, entretém-se durante largos minutos a brincar, come bem, continua a dormir noites completas.
Sinto-me a pessoa mais afortunada, com filhas assim.

Até podemos conhecer as urgências como muitos pais não conhecem, mas o dia-a-dia com elas é do melhor que se pode ter.


20 junho 2007

Sentou-se na cadeirinha do carro

aos guinchinhos de excitação por idealizar o pai a acordar numa casa sem nós, que foi o que aconteceu hoje. Eu que nunca a levo à Escola, hoje fi-lo, numa casa em silêncio, com pai e outra filha a dormir.
Foi o caminho todo a contar-me o que via, como se eu por não fazer aquele caminho de manhã, não o conhecesse e despediu-se de mim na Escola a segredar-me ao ouvido:
"Ai, mamã, o papá vai pensar que nós fugimos."

Esta miúda é mesmo gira.







Adoro

os bordados desta avó.

19 junho 2007

Já vem da outra casa

a mania de preferir o chão ao sofá.


18 junho 2007

Por mim, os luxos podem nunca chegar,

se a nossa vida continuar simples e harmoniosa como é.

videoclip no top da Maria



Ontem

esqueci-me de levar a máquina para a Igreja e a música que gostava de ter filmado para colocar aqui hoje era esta:

Quer nas lutas, quer nas provas,
A Igreja segue caminhando.
Quer nas lutas, quer nas provas,
A Igreja segue caminhando,

segue caminhando,
segue caminhando.

Glória, Aleluia,
A Igreja segue caminhando,
Glória, Aleluia,
A Igreja segue caminhando,
segue caminhando,
segue caminhando.


Começámos

esta colecção da Rua Sésamo, no sábado.

-"Mamã, tu és o Gualter, o papá é o Egas, eu sou o Becas e a Martinha é o Poupas."

A miúda ainda dá muitas calinadas no português

mas algumas são tão deliciosas que não sou capaz de a corrigir.

15 junho 2007

Sentada no chão.

Depois de trepar por mim acima mesmo com a irmã ao colo, simular comboios, aleijar-me mil vezes, pára, ajeita-me o cabelo, olha para mim, trinca a língua, aperta-me as bochechas:

"Que carinha mais boa, mamã!"

Uma amiga

que costuma vir tomar o pequeno-almoço mesmo nas traseiras da minha casa, avisa-me que deve chegar pelas 10.30 e envia uma sms a avisar. E reforça a ideia, só para o caso de ainda estarmos a dormir.

Desconto Minipreço, em 58€ de compras:

6,91€

vamos lá, agora por extenso: seis euros e noventa e um cêntimos.

Os meus verdadeiros amigos

estão sempre.
Não é só para umas coisas.
Dizer que sou uma sortuda soa a banal.
Abençoada, é como me sinto.




Alfama ganhou as Marchas,

eu adoro sardinhadas.
Sempre quis morar em Alfama.

Draft

Adoro esta funcionalidade do blogger que nos guarda automaticamente em draft tudo que começámos a escrever há segundos. Quantos posts perdi eu no passado, quantos?

14 junho 2007

À hora da refeição

há muito que a escala a inclui a ela, a filha crescida. É comum querer tomar a nossa vez para agradecer pelos alimentos. Ainda não lhe tinha dado para construir orações mais elaboradas, como esta:

"Senhor Jesus,
Como estás?
Obrigada pela comida,
Em nome de Jesus, Amén."

"Eugène Delacroix - Aquarelles et Lavis"

Blogues que leio e gosto

Há poucos blogues com posts longos que me cativem sempre da mesma maneira.

Este é um deles.

Da amizade

estou rodeada das pessoas certas.

Filhas




A um feriado de amanhecer razoável

eu acordo cedo, preparo as minhas coisas, arranjo-me, adianto almoço e outras tarefas domésticas e aguardo pacientemente que a minha prole acorde para ir ao jardim.

11.30 a casa começa a ganhar som lentamente. O jardim fica para a tarde.

Almoço, sesta às 14.30, resigno-me novamente ao silêncio e adormeço pelas 15.30, à espera do acordar breve.

18.00, hora de novamente acordar. Pego na mais velha e corro em direcção ao jardim, antes que feche.

Muito se dorme nesta casa.

12 junho 2007

Desenhos animados antes de sair para a Escola

Postman Pat (ou O carteiro Paulo).


Não estivesse eu habituada

a andar em recintos escolares e furar esquemas, e entregar hoje a candidatura da minha filha mais velha numa Sede de Agrupamento de uma Escola pública teria sido uma missão impossível.

O nosso país não existe.

(A melhor de todas foi a funcionária da papelaria ter descoberto que ia ter de se levantar para fotocopiar três papéis ao bloco em frente, porque se tinham acabado e me ter tentado convencer a desistir da candidatura: "Mas quer tentar mesmo? Sabe que têm prioridade os meninos de 5 e 4 anos? E os de necessidades educativas especiais? E os que já têm irmãos na Escola? É que é quase impossivel...Pronto, que chatice, é melhor sentar-se que eu vou ali tirar as cópias. Sabe que são 5 euros?".)

10 junho 2007

Das músicas que sempre gostei de cantar

(e hoje me recordei que já não a canto há mesmo muito tempo)

E voltarão os resgatados do Senhor
e virão com júbilo a Sião
Alegria e gozo sobre eles haverão.

Paz e alegria alcançarão
Tristezas, gemidos, deles fugirão!

E voltarão os resgatados do Senhor
e virão com júbilo a Sião
Alegria e gozo sobre eles haverão.


08 junho 2007

Numa sala de espera

eu faço um puzzle com a Maria e uma miúda com ano e meio vem na nossa direcção e pega na Minnie e vai-se embora, com ar zangado.

A mãe, meio atrapalhada:

"Ó Beatriz, a tua Minnie está aqui na mala. Essa Minnie é da menina!"

Uma miúda com a mesma dependência de uma boneca igualzinha, comprada no mesmo sítio que a nossa. Surreal.

wish list












07 junho 2007

06 junho 2007

Há 59 anos

nascia a minha mãe.


Largar as fraldas, bacio e sanita.

(post a pedido de uma amiga)

Neste capítulo, tivémos sorte. Tal como tivemos com a questão do sono com a Maria e até com a Marta, embora no primeiro caso tenha sido com mês e meio e no segundo, por força das bronquiolites e não só, aos cinco meses.

Esforcei-me pouco no Verão passado. Ela já tinha dois anos, eu estava no início de gravidez e com pouca vontade de a andar a arrastar para um bacio e sanita. Ela não tinha vontade nenhuma e as nossas férias foram feitas de dias cheios, sem estar sempre no mesmo sítio. A única semana que nos calhou mais calma, foi-lhe indiferente. Para a miúda, fazer chichi pelas pernas abaixo não era humilhação nenhuma, era um desconforto que passava logo a seguir, com a muda de roupa.

Entrou na escola de fraldas e descubro que todos os miúdos (menos uma) também a tinham. Numa consulta de nefrologia, a médica desdramatiza a questão e diz-nos que não acha haver necessidade de se forçar a questão antes dos 2 anos e meio, 3 (*). Que os pais apressados por vezes conseguem os mesmos resultados que os outros, só que no entretanto, os que começam muito cedo, têm filhos de cuecas em casa meses a fio, com imensos descuidos e chichis no chão, e trabalheiras.

Avizinhava-se o nascimento da irmã e adiámos o assunto para a Primavera. Na Escola quiseram tentar em Janeiro e apesar de não ter pressa nenhuma, acedemos em colaborar. Uma semana. Foi o tempo que durou. Uma semaninha e a miúda deixou de usar fraldas lá. Em casa fomos preguiçosos e nem sempre a mantivemos de cuecas. Quando decidimos fazer, correu bem. Até hoje. Não sei quantas vezes limpei o chão, mas foram pouquíssimas.

A teoria da médica estava certa. Começou mais tarde mas quando interiorizou, conseguiu ter um controlo sobre o próprio corpo que provavelmente mais cedo não teria. Desde essa primeira semana que reside uma muda de roupa na escola e que nunca mais foi usada.

Às vezes, mais vale esperar.

(*) A acrescer o facto de, segundo a médica, as crianças com refluxo, poderem ter uma incontinência ligeira até mais tarde e que podiamos estar a pressioná-la a fazer algo que não estava debaixo do total controlo dela.

05 junho 2007

Gostar de coisas antigas e herdadas - 13



Toalha de croché. Feita pela avó Zé.

A estreia,



no sábado, das 8.30 às 11.00. Uma maravilha.

01 junho 2007

Attached


Faço as contas e não me recordo há quantos dias não entro num centro comercial. Cada vez mais as minhas compras se fazem a pé, aos pedaços, aqui e ali, onde mais me convém (e à minha carteira).

Dia da criança

ouvi falar que na Escola, hoje, os miúdos não dormiam a sesta, que a comida ia ser preparada em parte por eles, achei engraçado.

Hoje de manhã, a desmancha prazeres cá de casa:

"Eu não quero ir para o dia da criança!"

Ontem, num dos raros momentos em que me sento no sofá e ligo a televisão,

(eu não sei ver televisão, eu nunca tive muita paciência, eu arranjo mil desculpas para interromper um filme e me levantar)

vou parar a este programa, transmitido a horas anormais. Está disponível aqui, para quem não viu e logo no início o tal filme "Então é assim!" que ali se discute.

Gostei do comentário da Rita, equilibrado. No que me toca a mim, ainda não chegou a minha hora, as minhas filhas são pequenas e quando chegar...logo se vê.