20 agosto 2009

A morte numa cabeça de 5 anos

passámos do "Então quando tu morreres quem é que me faz a comida?" para uma crise de identidade: "Por favor não morras que eu não posso viver sem ti".