15 setembro 2009

Pela segunda vez

no espaço de um ano, uma pessoa com quem trabalhei contacta-me para saber se estou disponível. Numa altura de crise, com tanta gente à procura de alguma coisa, surgem-me as duas melhores propostas na minha curta vida profissional. Recuso, não porque o dinheiro abunde ou não gostasse do que poderia fazer, mas simplesmente porque escolhemos assim. Vamos vendo resultados que nos indicam que este é o caminho. Não o caminho mais fácil, mas o que nos faz mais sentido.