21 outubro 2009

Acontece-me muitas vezes,

amigas ou conhecidas, me dizerem a propósito desta vida que eu escolhi:

"Nunca imaginei que conseguisses ficar em casa, isso não dava para mim, dava em maluca!" ou ainda: "Eu preciso de mais!"

Nessas alturas, a minha pequena pessoa desfaz-se em justificações que não levam a nada, porque a vida é minha.

E ainda que tudo se resumisse a essa coisa tão redutora como esse conceito de felicidade, eu poderia responder que não as invejo. Porque olho para o que tenho à minha frente e não vejo que essas pessoas, atarefadas em horários e correrias, sejam mais felizes.

Tão e só isto.