12 janeiro 2010

Do amor.

Essa palavra tão banalizada, sujeita a oscilações de comportamento, flutuações temporais, conveniências de todo o tipo. Não é nesse amor que eu acredito.