29 março 2010

Não sei que mãe eu seria

depois de uma dor destas.
Acredito num Deus que dá e tira, consola e restaura. Mas sinto-me tão pequenina quando sei destes acontecimentos, de pessoas que conhecemos.
Resta orar pelo consolo, de uma dor inimaginável.