31 março 2011

Se um dia pintar uma parede

será preta, para todos os dias ter a possibilidade de lhe mudar o estampado. E escrever recados, e ter desenhos nossos e de quem nos visita.

(imagem retirada da net)


Monotonia, qual monotonia?

Maria, 6 anos, a correr para o portão da escola, para vir almoçar a casa, em altos berros: "Caligrafia, excelente! Trabalhos de Língua Portuguesa, excelente!" e no momento em que aterra junto a mim esbaforida: "Agora que está calor posso usar sapatos sem meias?"

Post em modo rascunho há demasiado tempo:

"É quase impossível escapar da tentação se ela suprir de maneira apropriada a cobiça de alguém. (...) Como as pessoas se enganam ao pensar que podem brincar diante da entrada do ninho de uma serpente sem serem picadas, manusear alcatrão sem se sujar ou colocar fogo em suas roupas sem se queimarem."

John Owen

30 março 2011

Nham!

Para mim, a sobremesa ideal é esta: fruta. Se for em salada, tanto melhor. Regada apenas com o sumo de uma laranja, fica perfeita. Já tinha dito que as coisas simples são as que gosto mais?



Quarto sem bebés

Temos o nosso quarto sem bebés, novamente. O Caleb conseguiu bater os todos os records cá de casa: a primeira filha mudou-se para o quarto dela com 5 meses, a Marta e Joaquim com 8 meses (porque estavam todos no mesmo) e agora o Caleb, com constipações à mistura e fruto de termos um Joaquim muito dorminhoco, foi ficando no nosso quarto, por preguiça também.

Já dormia na cama e quarto dele durante o dia desde os 5 meses, mas foi agora que passou a fazer companhia ao Joaquim, que está radiante de acordar com o irmão.

E o nosso quarto, alberga todo o tipo de "entulho" que antes se encontrava no desaparecido escritório/quarto de visitas.

Mas verdade seja dita, o quarto é para dormir e não precisamos de grande espaço.





29 março 2011

Trancinhas

A minha filha Marta pediu para usar tranças. Nada de especial, pensam aqui os leitores. Mas tem tudo de especial, a minha filha Marta é aquela criança que já aqui expliquei mais do que uma vez, que só usa fitas no cabelo (raramente direitas), que não suporta ganchos e que não faz um totó há seguramente uns dois anos, a última vez que lhe consegui amarrar o cabelo, numa altura de calor.

Ontem, pediu tranças. E não desistiu a meio do penteado, nem quando sentiu o cabelo amarrado. E melhor, chegou a casa ao final do dia com elas. Hoje, quis levar outra vez. E fica tão gira.




28 março 2011

Contagem decrescente para a Páscoa

Encantei-me com esta ideia de contagem descrescente para a Páscoa, que partilhei aqui há um ano. E, na impossibilidade de encomendar um igual, inventei uma forma simples e que me pareceu igualmente bonita: plasticina, galhos e restos do chão aqui ao pé de casa, e temos a nossa caminhada. Durante estes 40 dias andamos um bocadinho mais, até chegarmos à cruz.








Ao domingo cantamos juntos.

Dos meus coros preferidos, inspirado no Salmo 24.

(Clicar na seta para ouvir)


Senhor, quem entrará no santuário para adorar?
Quem tem as mãos limpas, um coração puro,
Quem não é vaidoso e sabe amar.

Senhor, eu quero entrar no santuário para adorar!
Ó dá-me mãos limpas, um coração puro,
Afasta a vaidade e ensina-me a amar.

Senhor, já posso entrar no santuário para adorar!
Teu sangue me lava, Teu fogo me queima
O Espírito Santo inunda meu ser!

25 março 2011

Dia de consulta dos olhos

Ontem foi dia de voltarmos à médica. A visão do Joaquim piorou substancialmente, neste momento já só vê 10% no olho que entorta. Também o treme em movimentos horizontais, quando debaixo de fraca luz. A dificuldade em focar é já grande, o que faz com que o cérebro se vá esquecendo deste olho, com o passar do tempo.

A médica deseja operá-lo rapidamente, mas ao mesmo tempo quer que este olho doente seja exercitado mais, para que fique a 100% depois. Para isso, e porque a oclusão total do olho o dia inteiro seria bastante violenta (com penso), agora todos os dias colocamos-lhe uma gota que dilata a pupila do olho bom, fazendo com que fique com a visão turva e comece a usar mais o outro olho. A gota foi colocada à noite e hoje, quando se levantou, para além de ter acusado muita sensibilidade à luz (quando abri o estore do quarto), colou-se à televisão a dizer que não via os desenhos animados.
Vai ter de ser assim nos próximos três meses, para depois ser operado e que a visão seja recuperada.

(Ontem o meu coração encolheu um bocadinho...coisas de mãe.)


(Só se nota com objectos mesmo próximos e por determinados momentos)



24 março 2011

Ó Verão,anda daí!

Não é que eu goste de calor (sou-lhe cada vez mais intolerante), mas a liberdade de usar pouca roupa, de ter uma família fora de casa sem ninguém regressar doente, é outra. Eu gosto de quando o bom tempo vem e passeamos ao início da manhã, final da tarde, tanto faz. Eu gosto de passeios e da brisa a correr.

(E fico sempre com saudades dos meus filhos mais pequenos, nem que sejam uns meses, que na vida de pequeninos, meio ano pode fazer toda a diferença. Tudo porque a prima Ester me enviou hoje estas fotos, com quase um ano, que eu ainda não tinha visto).

23 março 2011

Convite do costume

Há dois domingos, iniciámos a contagem decrescente para a Páscoa.
Queremos recordá-la com o pesar que merece, sucedida de muita alegria.
Quem quiser chorar, para depois comemorar, é bem-vindo.



Biscoitos

Eu repito-me frequentemente aqui pelo blogue, portanto vão desculpar-me se voltar a dizer o quanto eu gosto de bolos secos. Daqueles duros, com sabor a limão, ou canela, ou erva doce, ou gengibre, sabores simples. Quase todas as semanas faço os de limão e canela (o que o meu dispára-biscoitos trabalha, coitado) e hoje experimentei uma receita de biscoitos que não levam manteiga, mas azeite. Foi a amiga Andreia que me passou os ingredientes e ficaram... deliciosos!



22 março 2011

"Caixa roxa"

A minha sogra falou desta caixa há uns anos. Foi herdada da prima Ana e na altura, só a Maria podia brincar, longe do alcance dos mais novos. Entretanto, a caixa continua a fazer sucesso e, para além das meninas, já o Joaquim brinca com ela, tendo especial preferência pelos gatinhos e ursinhos. Até eu me divirto a encaixar estas peças minúsculas.




Jantares levezinhos

seguidos de chá. É assim aqui em casa.



Chegou a minha estação preferida.


(São Domingos de Benfica, Lisboa)

21 março 2011

Ao domingo cantamos juntos.


Pai do Céu como te amamos
Louvamos o Teu nome na terra
Que o teu Reino se encha de louvores
Que o teu povo declare as tuas obras!
Glória ao Senhor Deus poderoso
Que foi, que é, e que será!
Glória ao Senhor Deus poderoso
Que sempre reinará!

20 março 2011

Ontem, a lua.

















"Quando vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste; Que é o homem mortal para que te lembres dele? "
Salmos 8

(Fotos tiradas ontem às 20h, no Samouco)




18 março 2011

Deus faz tudo muito bem, a seu tempo.

Não é muito fácil de explicar, mas sonho frequentemente com as pessoas que me preenchem as orações. Sonho e lembro-me dos sonhos. É assim uma espécie de loop, porque adormeço a pensar nesses assuntos mais importantes, e acordo a relembrá-los.

Hoje a temperatura na rua indiciou a primavera que está aí a chegar. Por mim podia ter trovejado, porque sempre que uma oração é atendida, o tempo estagna e quase saio fora dele.
Depois, olho em volta, e em todo o lado comprovo a existência do Deus que cuida.

17 março 2011

"Comboio debaixo da terra"


Bem cedo pela manhã, o Joaquim tinha consulta de oftalmologia, mas já a caminho soubemos que a médica estava doente. A Maria tinha ficado com os tios que a levaram à escola à hora de entrada, a Marta e Caleb tinham ficado com os meus pais. Tinha-lhe prometido, que ao regresso da consulta, como o pai ficava em Lisboa, andaríamos de metro e de autocarro. E assim foi. Depois de um pequeno-almoço demorado no centro comercial, tratei de umas coisas que adiava há meses, e fartámo-nos de andar.

Aguardou com ansiedade o "comboio debaixo da terra" e no momento de entrar hesitou (peguei-lhe ao colo) mas depois já dentro da carruagem, procurou o cinto para se prender à cadeira e agarrou-se com as duas mãos, uma de cada lado da cadeira, observando tudo muito bem: "Isto anda muito depressa, yes! Faz muito barulho, mas eu não tenho medo!".

À saída, no Marquês de Pombal, o espanto na correria de tanta gente e a insistência que os autocarros amarelos da Carris são muito mais giros que o que íamos apanhar (Vimeca- branco, azul e vermelho).
No caminho, o cansaço era tanto que adormeceu ao meu colo.

Foi uma experiência e tanto, agora pergunta quando voltamos a andar de metro.


(foto com o tel.)


16 março 2011

Cumulus (*)

O céu de ontem estava assim. Gosto muito de conduzir nestes dias, abrando o passo, e reafirmo a certeza: tudo o que Deus faz é bom, e é perfeito.



(*) Os cumulus são nuvens densas que se formam em ar instável e sobretudo na baixa troposfera e que surgem em blocos ou glóbulos isolados ou agrupados.

14 março 2011

Coisas bonitas

As portas da casa dos meus sogros.
Que me fazem lembrar as portas da casa da minha avó paterna, na Av. Estados Unidos da América, em Lisboa. Eram parecidas, mas apenas com um vidro, em cima.



Músicas que só fazem sentido ao domingo:


É teu povo, aqui presente,
Todos numa só voz declarando que só Tu és grande.
Exaltamos teu doce nome, pelo amor, pela cruz,
por teu filho Jesus,
Pois és santo, sim és digno de louvor e de ser adorado.
És bondoso, pai querido,
Sobre todas as coisas Tu és verdadeiro Senhor!

12 março 2011

À rasca

Estamos todos apreensivos com o rumo financeiro deste país, são inúmeros os casos de gente à nossa volta a lutar com dificuldades, quem tem filhos receia pelo futuro.

Mas ver estas imagens, é perceber o que é estar verdadeiramente "à rasca".




Imagens retiradas da net.
(Japão)


Gostar de florinhas


Imagens retiradas da net.


11 março 2011

10 meses

O careca loiro e sorridente caminha a passos largos para completar o seu primeiro ano.
Esqueci-me de aqui registar que, na semana que caíu o primeiro dente à Maria, lhe nasceu o primeiro dente, precisamente no mesmo sítio. Entretanto o segundo também já rompeu.


09 março 2011

Oração.

Nenhuma oração é curta demais.
Nenhuma oração é longa demais.


Para a Cláudia.


Ontem estreei-me

nas urgências pediátricas do Hospital S. Francisco de Xavier. Depois de ligar a saber o assustador tempo de espera em todos os hospitais privados na zona de Lisboa (e com acordo com o meu seguro de saúde), achei que, se era tempo de esperar, ia ser sem ter de pagar. A minha experiência recente no centro de saúde da nossa zona e respectiva médica de família, tem-me vindo fazer acreditar mais no serviço nacional de saúde. A minha última experiência no S. Francisco foi há demasiados anos, e nada boa.

Ontem, esperei com o Caleb cerca de 1 minuto para a triagem e 3 minutos para ser atendida. Tratamento para a respiração depois, levei pouco mais de uma hora a ter a receita na mão e o regresso a casa. Acho que numa próxima vamos voltar.

07 março 2011