31 março 2013

"Vi O Senhor!"

Clicar na seta play:





29 março 2013

Tudo por minha causa.

A Páscoa não se vive sem tristeza.
Não se vive a Páscoa sem pensar que não há sofrimento nenhum que aconteça no mundo que se equipare ao momento em que Deus deixa que o Seu único filho entregue a vida no meu lugar.
A forma humilhante como morreu inquieta-nos, mas pensar que no meio de todo aquela dor física, caem os pecados da humanidade sobre Deus, que não tem pecado algum, é inimaginável.

Nunca esquecer que a cruz é uma mensagem que nos deve pesar muito, muito.
Para que a possamos viver e agradecer continuamente.






Above all powers
Above all things
Above all nature and all created things
Above all wisdom and all the ways of man
You were here before the world began

Above all kingdoms
Above all thrones
Above all wonders the world has ever known
Above all wealth and treasures of the earth
There's no way to measure what You're worth

Crucified
Laid behind the stone
You lived to die
Rejected and alone
Like a rose trampled on the ground
You took the fall
And thought of me
Above all

28 março 2013

Quase Páscoa

Nos preparativos para a alegria de domingo de manhã! A Páscoa é uma festa da família de Deus e só faz sentido vivê-la em Igreja. Na sexta, choramos a morte de Jesus, pelas 20h. No domingo pelas 11h30 temos o nosso culto especial de celebração, almoçamos todos juntos (e quando digo "todos" significa quem se queira juntar) e pelas 16h comemoramos novamente.
Apareçam, são bem-vindos!





27 março 2013

Coisas que fazem parar:

o efeito da chuva e das luzes dos candeeiros na calçada da minha rua.




25 março 2013

Humor ou amor?

(Já não sei o contexto, mas a Maria dizia uma piada sem grande sucesso)

Maria: "Precisas ter sentido de humor!"
Marta (a declamar, como temos num cd): "O amor? O amor é paciente, o amor não é invejoso..."

Últimos dias




:)

Num dos raros sábados em que estávamos os 6 sem mais planos, e em que chovia, deixando-nos poucas alternativas para passeios, lá me resignei a irmos a uma superfície comercial, coisa muito rara em família e ainda para mais ao fim-de-semana.

Os cupões do KFC com descontos a metade do preço foram parte da receita do sucesso do nosso almoço fora, a juntar uns mini-magnuns que comprámos no Continente, no final da refeição. Depois, ainda deu para entrar em algumas lojas e espalhar o nosso caos, perdão, charme; mas onde os miúdos se aguentaram mais tempo, cada um no seu sofá, foi mesmo na Livraria Bulhosa, nas suas leituras.

À chegada ao carro, meio da tarde, Joaquim enquanto apertava o cinto: "Foi muito divertido!"





22 março 2013

Rebaldaria

(foto com o telemóvel)


21 março 2013

Hora de deitar

para o infinito e mais além!




Cenas da vida de um rapaz

Apesar de ter sido um bebé calmo, e dentro da idade dos 5 anos não ser dos mais irrequietos, o Joaquim tem a mania que é super-herói. Como nunca viu bem, desde que nasceu, esquece-se que a visão dele está longe de se aproximar do homem-aranha ou do batman, e portanto é frequente termos notificações de espalhanços e companhia na escola. Já conseguiu a proeza de ter duas no mesmo dia!


E depois, quando chega a casa, perante um: "Ó Joaquim, outra vez?", é esta a cara que se nos apresenta:

(foto do Ben)


20 março 2013

Domingos, esses dias cheios.

Aos domingos, chegamos de manhã e saímos ao final da tarde. É frequente amigos saberem desta nossa rotina e comentarem do cansaço inerente a este dia. É, de facto, um dia cheio. E pode-se dizer, cansativo. Mas é um bocadinho como aquele cansaço de quem vai ao ginásio e chega a casa a sentir-se bem por ter feito exercício. Os domingos são o dia do Senhor, e não há nada melhor do que poder reservá-lo para cantar, aprender, conviver, abraçar, rir, chorar. Tudo para que no final Deus saia agradado e engrandecido com o que fazemos.

Os domingos são o melhor dia da semana, e não os trocava por nada.






19 março 2013

O tempo de Deus é perfeito


A explicar às crianças que Deus planeia ao milímetro o que vai acontecer, que quando Filipe encontra o Etíope na estrada que vai para Jerusalém, não cruza apenas duas pessoas, numa estrada imensa, que podem ser ajuda (o Etíope quer saber mais de Jesus, Filipe pode-lhe dar essa informação). Deus faz com que Filipe encontre este homem no exacto momento em que ele lê uma passagem em Isaías que fala acerca de Jesus. Nem mais, nem menos.

Enquanto divagávamos sobre os caminhos possíveis, num tempo em que as estradas eram conceitos remotos, e em que 100 quilómetros era realmente muito longe, damos com Gaza. O mais velho de todos, o Eduardo, 12 anos, pára, levanta a cabeça e diz: "Não estamos a falar da faixa de Gaza, pois não?"

A maravilha de enquadrar a Bíblia no mundo real. É assim aos domingos.

12 dias para a Páscoa.




Dia do pai

O de cá de casa aproveita enquanto as crianças acham graça a tudo o que ele faz:




18 março 2013

O pai mais horrível do mundo.

Foi no sábado, a apresentação do novo livro do João Miguel Tavares (as ilustrações do João Fazenda são deliciosas).

O carinho que temos por esta família é grande, porque quem tem quatro filhos, quase todos mais ou menos da idade dos nossos, compreende melhor o nosso caos e sabe que a sobrevivência se faz, sobretudo, de muito sentido de humor.





15 março 2013

Sábado de manhã

num dia de mau tempo.



  




Cristo é a tua arma.


Ele não te torna forte. Ele é a tua força.


Na fé, nada é acerca de nós. É tudo acerca de Cristo.
Por isso, pouco importa aquilo que somos enquanto matéria prima.
É Cristo em nós que muda tudo.

Hell

"You think the devil is someone inside the ground that's going to burn you after you're dead. The devil is right there on top of this earth. He's got blue eyes, brown hair, white skin, and he's giving you hell every day. And you're too dead to see it."

Malcolm X, 1963 

O diabo em que eu acredito oferece-me coisas boas e apelativas todos os dias, todas elas para me prejudicar. O diabo em que eu acredito fica chateado sempre que me deito e reconheço em Deus a minha única fonte de felicidade. O diabo em que eu acredito irrita-se quando a minha casa está em harmonia. O diabo em que eu acredito não vai estar sossegado e fará de tudo para complicar a minha determinação, toldar as minhas forças, sempre que quero seguir a vontade de Deus. O diabo em que eu acredito é sedutor, e tenta constantemente oferecer-me o caminho mais fácil, para me desviar do correcto. Como me dizia uma amiga, num momento em que constatava isto tão claramente:
"Sempre que há cumprimento de propósito, há forte oposição".

Sim, eu acredito no diabo. E faço-lhe frente. Com a ajuda de Deus.



14 março 2013

Ainda está frio

e eu ainda não estou a 100% (dores de ouvidos, pensava eu que tinham ficado na infância, qual quê!) mas o sol espreita e há coisas para fazer. O minorca da família não pode ouvir a palavra "rua", que começa logo a vestir o casaco, por isso, siga!








13 março 2013

?

Pois que a criança de 2 anos e meio já percebeu que ninguém entende como ele se chama (estes pais dão nomes esquisitos aos filhos, que mania lhes havia de dar de ir buscar nomes à Bíblia!) e portanto, à tradicional pergunta: "Como te chamas, bebé?"

a resposta é: "Homem."

(A primeira vez que se saíu com esta, até lhe pedi para repetir, parecia ser bom demais para ser verdade!)

Primavera

Ainda não a percebemos bem, porque o frio se faz sentir, mas basta pararmos um bocadinho para vermos que  está mesmo a chegar.


  
- Oeiras-


12 março 2013

Nos almoços de família

é garantido que há sempre alguém que dorme a sesta, sendo que esse alguém é geralmente do sexo masculino e tem mais de 25 anos.



Sonhos da vida de um rapaz

 Querer ir ao casamento de laço, e chegar lá e o noivo ter também um laço!




11 março 2013

Há coisas que fazem a febre baixar um bocadinho, e nem sempre se vão buscar à farmácia.


 Podem ser elas:
As flores recebidas do Mississipi no meu dia de anos, ou o bolo e comida que a minha mãe fez.

09 março 2013

Março.

Todos bem-vindos, como sempre!



07 março 2013

Um três e um seis.

Quis que depois do casamento, no sábado, dos nossos queridos amigos Miriam e Tiago, a gripe se instalasse por aqui, e embora todos os brufens e benurons do mundo, no início da semana foi altura de parar de ignorar a febre e abrandar.

Pelo meio, fiz 36 anos e terei algumas coisas boas para contar, assim que o vírus vá chatear outro, de preferência longe da minha casa.