05 fevereiro 2014

Ler

Como os filhos são todos diferentes, existe um lado da maternidade constante que é a surpresa, o deslumbramento (e, às vezes, também, o desapontamento).

Com a Maria, quando demos por ela juntava letras e sabia ler e escrever, praticamente apenas a perguntar aqui e ali como soavam as letras juntas.

Com a Marta, existe uma grande vontade de aprender e uma evolução que tem todos os dias a nossa assistência, até porque ela pede para ler sempre um versículo no culto da noite. Na semana passada, em visita de estudo com a escola à Biblioteca de Sintra, conseguiu ler sozinha até meio de um livro!