24 fevereiro 2015

De infância em infância.


O que é que estes livros têm em comum? Foram lidos mais do que uma vez na minha infância. Uns já eram da minha mãe, outros são mesmo meus. O papel é amarelado, áspero, e causa-me muitos arrepios. Mas nem isso me impediu de me apaixonar por estas histórias. Todas elas são acerca de pessoas humildes, sem grandes possibilidades de visibilidade no meio onde viviam, mas pessoas cujo Deus usou e marcou vidas. Vidas essas convertidas em livros, e livros esses sem idade. Foram lidos na minha infância, posso lê-los hoje sem me desinteressar e chegou a altura de os passar para os meus filhos. Para que actos heróicos, fantásticos e deslumbrantes lhes falem que nada na vida é acerca de coragem. Mas de fé.