26 fevereiro 2015

Vida preciosa.


A Taíssa tem 13 meses e é portadora de trissomia 18 total. Esta trissomia é daquelas doenças que qualquer grávida se alarma em rastreios pré-natais. Segundo os médicos, e as estatísticas, é incompatível com a vida. 80% dos bebés com esta trissomia morrem naturalmente dentro do útero, e dos 20% que chegam a ver a luz do dia, a maioria não vive mais do que um mês. Por isso, é daqueles casos em que a maioria dos médicos aconselham à interrupção da gravidez. Porque é "desnecessário prolongar o sofrimento", entre outras explicações. A Taíssa viu a luz do dia, continuou a ver, e continua a ver. Para a Ema e para o Paulo, os pais dela, têm sido 13 longos meses de batalha. O último ano tem sido largamente passado no hospital, entre muitos momentos de angústia, incerteza, mas de muita fé.

Tomámos conhecimento da doença da Taíssa mal ela nasceu, por amigos comuns. Temos orado por ela mês após mês e aqui há umas semanas, finalmente conheci esta família (que têm também uma filha de 4 anos, a Tamara). No quarto de hospital, pude testemunhar da alegria que é confiar em Deus, mesmo na maior das incertezas. Testemunhei de pais que ousam pedir a cura da filha, mas que estão dispostos a aceitar o plano que Ele traçou para ela, independentemente do desfecho.

Entretanto, a Taíssa regressou a casa e tem estado sem internamentos há praticamente duas semanas, um record desde que nasceu. E neste interregno - que esperamos que seja longo - os meus filhos puderam finalmente tocar e conhecer esta bebé que todos os dias enche as nossas orações.


Na foto em cima, vêem uma boneca que a nossa querida Sara fez para a Taíssa, no hospital. Surgiu a ideia de se fazerem mais bonecas destas para ajudar esta família, que dadas as circunstâncias se encontra a tempo integral a cuidar da filha (que não pode ser deixada sozinha em nenhuma parte do dia ou noite). Na nossa Igreja, várias mãos se estão a juntar para coser, outras tantas para trazer materiais, e outras para etiquetar. Se quiserem fazer parte desta corrente, cujos fundos reverterão para esta família - ou outras que eles conheçam em igual necessidade - sigam os passos abaixo.

Página da Taíssa no FB: Aqui.