29 dezembro 2015

Ilusões.


Geralmente por estes dias tenho sentimentos contraditórios. As férias escolares parecem-me sempre demasiado curtas e anseio que os dias estiquem. Por outro lado, quem trabalha em casa sabe da pressão implícita que há quando temos trabalho à espera. Avisamos que estamos a meio gás, mas sabemos que Janeiro está mesmo ali ao virar da esquina, implacável a exigir-nos que arranquemos logo em quinta, quando ainda nos sentimos em ponto morto. Na verdade, acabámos agora mesmo de parar, depois de tanto que se fez antes e durante o natal.

Tenho, também, sentimentos ambíguos com os frutos secos e a árvore. A árvore já não tem bebés que a desmanchem, nem gatos a atacá-la (a velhice é muito visível na nossa pequena felina). Mas tem ramos tortos que já não me dou ao trabalho de endireitar (secretamente conto os dias que faltam para ter de a enrolar novamente em película).

Mas também é nesta desarmonia final que ela fica mais rica, com os postais que nos chegaram entretanto, nas fotos dos nossos queridos. Tranquilamente aceito esta imperfeição, que as fotos não demonstram, pois claro.

De qualquer das formas ninguém acredita que a vida é como no Pinterest, pois não?