30 janeiro 2017

Sinais dos tempos


Até há muito pouco tempo, a ideia de ficar em casa num dia de folga parecia-me sempre ser um desperdício de tempo (a menos que fosse para dormir, que eu sempre gostei muito de dormir). Quando casámos, perspectivar um dia de descanso sem colocar os pés a caminho de um passeio (e não confundamos com centros comerciais, eu não gosto particularmente da ideia de ir passear para ver montras, nem nunca gostei) era como se o dia fosse um autêntico desperdício.

Quando me tornei mãe, a coisa não mudou: era mesmo necessário sair e fazer alguma coisa, a comprovar que não era a rotina dos dias que nos tomava, mas nós que tomávamos os dias. Com vários filhos pequenos, ir para o parque era uma espécie de manutenção de sanidade mental, também.

Pois eles cresceram, e dou comigo numa conquista que tem já algum tempo, mas que vai ganhando um sabor cada vez maior. É algo tão simples como isto: eles acordam e ficam no quarto até nós acordarmos também (isto só é possível ao sábado ou de férias) e ficamos em casa sem planos de maior. Eles voltam a ler ou descansar depois do almoço e nós descansamos também. O dia todo dentro de portas, assim.

Se dissessem que a Ana Rute a roçar os 40 anos ia amar dias assim, a Ana Rute de 25 atirava-se para o chão a rir.

26 janeiro 2017

O reino dos Céus cresce lentamente, mas cresce sempre.

O quadro que me foi oferecido, uns dias depois do Natal, relembra-me que o reino dos céus é trazido pelo Rei, não é algo que nós construímos. O reino é algo que herdamos, recebemos, e - que maravilha! - entramos. O reino é-nos oferecido, não somos nós que o concretizamos. Quando o crescimento nos parece lento, precisamos encontrar conforto nesta certeza.

22 janeiro 2017

Tudo para ti, Senhor Deus!

 - Foto de Vera Marmelo -

Há 5 anos, também era domingo. Acontecia uma cerimónia de formalização daquilo que já era o caminho da nossa família por mais de 5 anos. A cave em S. Domingos de Benfica tornava-se oficialmente uma Igreja, e o Pastor era assim reconhecido e consagrado em público.
Esta foto representa muito bem aquilo que Deus tem feito na nossa caminhada. Este dia tinha sido para lá de cansativo, mas também muito feliz. Nuns rostos vê-se ainda a alegria, nos outros já só resta o cansaço.

Deus tem sido fiel e misericordioso connosco. Quando penso na minha família e nesta vida que Deus nos deu a viver, às vezes fica fácil cair na tentação de pensar apenas naquilo que sacrificamos por causa do que acreditamos. É uma conversa recorrente aqui em casa: Amar a Deus é isso mesmo (e qualquer sacrifício é muito pouco, pensando na perseguição pelo mundo e no que Jesus fez por nós).

Penso muito para comigo no que gostava de ouvir os meus filhos dizerem acerca de nós, mais tarde. A minha oração é que eles possam dizer: "Os nossos pais não fizeram tudo certo. Foram, até, injustos muitas vezes. Nunca duvidámos que nos amavam. Mas mais do que isso, eles amavam a Deus acima de qualquer outra coisa, e o que faziam era apenas e só para o agradar."


É para isto que eu vivo: para a glória de Deus.

É tudo para ti, Senhor. Usa-me para o teu serviço e agrada-te dele!

19 janeiro 2017

Louvor em inglês!

At our church, Igreja da Lapa, the highest value is worship. White hot worship that honors God, glorifies Jesus and brings man into relationship with his Creator.

While it’s true that each moment of our life is an opportunity to worship, we also recognize that gathering together as believers to worship God is an unparalleled time and the pinnacle of our week. We gather as the family of God and declare together that Jesus is worthy of our praise.

Our desire is to see more and more people in our city gather to worship God in spirit and in truth and because of that, we recognize the need to offer an English speaking worship service to our community.

So what does this mean, to offer an English speaking worship service?

We want to highlight 3 things: Authentic Worship, Biblical Preaching and Deep Community:

Authentic Worship: The Bible teaches us to gather regularly, sing psalms, hymns and spiritual songs, to encourage each other and to dive deep into God’s Word.

Biblical Preaching: God’s Word is the central part of our service and each time we gather to hear the Word we open our hearts and minds to God’s purposes for our lives.


Deep Community: Loving God and loving others. It’s the greatest commandment and one of the greatest blessings as we serve one another and do life together!

So join us as we worship God together; whether you are an English speaker who would love to worship in your heart language or someone who appreciates the English language and wants to check out what church is all about. We welcome you to join us on this incredible journey.

See you at Lapa!


13 janeiro 2017

Silêncio

"Silêncio" é o filme baseado no livro de Shūsaku Endō, e é uma história escrita tendo por base a horrível perseguição aos cristãos no Japão do século XVI. Neste caso, a de dois padres portugueses que vão em busca de um outro padre mentor, que se diz que renegou a fé.

Não posso contar mais, nem devo. Vão ver!





“I do not believe that God has given us this trial to not purpose. I know that the day will come when we will clearly understand why this persecution with all it's sufferings has been bestowed upon us - for everything that Our Lord does is for our good. And yet, even as I write these words I feel the oppressive weight in my heart of those last stammering words of Kichijiro in the morning of his departure: "Why has Deus Sama imposed this suffering on us?" and then the resentment in those eyes that he turned upon me. "Father", he had said "what evil have we done?"


02 janeiro 2017

Adeus 2016, bem-vindo 2017!


Escrevia há mais ou menos um ano que sabia que 2016 traria tempestades mas de facto não sabia o que vinha aí. Foi um ano tão doce quanto difícil. A conclusão no final é sempre a mesma: Deus é bom, Ele só sabe ser bom, Ele não tem como não ser bom.

2016 não trouxe respostas fáceis, até porque não há nada de fácil na vida de um cristão. O sofrimento é um facto (a primeira carta de Pedro retirou-me todas as dúvidas de que é possível ser crente e ter uma vida tranquila); um facto que se vive com outros, e se é difícil sofrer e ver sofrer!

Mas Deus é bom e é no sofrimento que se revela melhor. Em 2016 aprendi a ficar calada mais vezes (ainda tenho de ficar calada muitas mais) e a não encontrar nem dar respostas simplistas. O sofrimento não é light e vive-se com muitos "não sei" e bastantes lágrimas. Jesus não as evitou, e essa é a grande consolação: não há sofrimento que ele não tenha conhecido.

Ainda assim, entrámos em 2017 em paz, na nossa Igreja. Uma paz que tantos cristãos não podem ter, a paz de saber que vamos terminar as nossas orações sem termos a vida em risco. A paz de podermos chorar os nossos "sofrimentozinhos" com tanto sofrimento por esta causa maior! E é esta perspectiva que precisamos continuar a ter todos os dias, para que consigamos olhar além do nosso umbigo.

Sei que em 2017 Deus continuará a ser bom (e espero nunca deixar de o repetir) e não sei que mais trará para vivermos, mas sei que não dará nada que não seja o melhor para nós. O desafio é permanecer firme e não duvidar. Que Ele nos ajude!