28 abril 2017

27 abril 2017

Saudade, Silêncio e Simplicidade.

Sou uma pessoa de datas. Ficam-me na cabeça e é difícil passar algumas datas sem me recordar o que a elas se ligam. Às vezes os números ficam-me a martelar na memória e demoro algum tempo a relacionar factos, mas chego lá. Outras vezes não resisto e digo-o em voz alta, mas na sua maioria sinto-me ridícula por ocupar a base de dados da minha cabeça com coisas que já lá vão, porque umas não são assim tão importantes como outras.

Abril será sempre um mês de saudade e serve para relembrar do que já lá vai e de como passa. A avó que tive até à idade adulta era uma pessoa não me convém esquecer, não apenas porque era minha avó e do meu sangue mas porque me relembra de simplicidade e silêncio. Simplicidade e silêncio, duas coisas tão raras e urgentes nestes dias. Silêncio. Simplicidade.
Simplicidade. Silêncio.

Ficam o aparador e os pratos, relembrando outros dias em Santos-o-Velho, com o som do eléctrico a passar, os cortinados a esvoaçar, a varanda minúscula, o mosaico hidráulico, os quartos interiores, a despensa escura.

24 abril 2017

Cenas de início e fim de dia.

 

 



Igreja perseguida

"Lembrem-se dos que estão presos como se estivessem na cadeia com eles. Lembrem-se dos que sofrem maus tratos como se vocês sofressem o mesmo no vosso corpo." Hebreus 13:3


Quando o autor da carta aos Hebreus escreve, os seus destinatários são judeus que se cristianizaram. A perseguição estava mesmo à espreita e ele dá uma série de instruções a estes crentes: mesmo que não estejam a sofrer nenhum tipo de discriminação, é dever deles lembrarem-se dos que sofrem na pele a sua conversão.

Por isso, ser cristão é não ter alternativa senão estar minimamente a par do que se passa noutros lugares do mundo. Por um lado, exercita a nossa gratidão, por outro a nossa compaixão. Também quero crer que prepara o nosso coração para uma realidade que poderá vir a ser a nossa um dia. Não sabemos.

Assim, não escondemos das nossas crianças a realidade da igreja perseguida. Com as devidas cautelas e, tantas vezes saltando pormenores gráficos (incompatíveis ainda com a idade e compreensão), mas enfatizando-lhes que seguir a Cristo pode custar a vida.

Esta Páscoa, gastámos algum tempo a conhecer os hábitos de vida, as características do meio físico e social, entre outros, para depois conhecer quem são os cristãos na China, na Nigéria e no Egipto, que ocupam o 39º, o 12º e o 21º lugar na lista mundial de perseguição da Open Doors.

E começámos por:

Como definimos perseguição? A perseguição aos cristãos ocorre quando: 

- são negados os direitos à liberdade religiosa;
- a conversão ao cristianismo é proibida pelo governo ou outros grupos da sociedade; 
- são forçados a deixar suas casas ou empregos;
- são agredidos fisicamente ou mortos por causa de sua fé; 
- são presos, interrogados e, muitas vezes, torturados por se recusarem a negar Jesus.

Cristão perseguido 

De acordo com o Pew Research Center, quase 75% da população mundial vive em áreas com graves restrições religiosas. A perseguição aos cristãos consiste em qualquer oposição vivenciada como resultado da identificação de uma pessoa com Cristo, incluindo palavras e atitudes hostis, dirigidas contra elas unicamente por causa da sua fé em Jesus.

Hoje em dia são aproximadamente 215 milhões de cristãos perseguidos nos 50 países que compõem a Lista Mundial.

Como é que o cristão é perseguido? 

A Lista Mundial da Perseguição mede a liberdade que um cristão tem para praticar a sua fé nas cinco esferas da sua vida: na individualidade, na família, na comunidade, na nação e na igreja.

1. INDIVIDUALIDADE
A pessoa não é livre para escolher qual a religião que quer seguir, orar a Deus dentro de casa ou num lugar público, ter a Bíblia e outros livros cristãos para uso pessoal, etc.


2. FAMÍLIA
A perseguição vem através de pais, irmãos, tios, avós, primos e outros. O convertido é coibido de praticar a sua fé em casa e enfrenta problemas em assuntos civis como casamento, enterro de familiares, herança e outros.


3. SOCIEDADE
O cristão sofre pressão através de atitudes preconceituosas, leis, casamento forçado, dificuldade de aceder a recursos, pressão para renunciar a fé, discriminação no trabalho, etc.


4. NAÇÃO
O cristão enfrenta oposição, pois não há leis que garantam liberdade de culto e prática da fé. É considerado crime a prática da evangelização e, em casos mais extremos, a conversão. Enfrenta problemas para tirar o passaporte, realizar reuniões entre cristãos, entre outros.


5. IGREJA
Quando há perseguição para realizar actividades comunitárias, como um culto, ma reunião de oração, baptismo, aula bíblica, entre outros. A opressão pode vir de diversos lados: dos vizinhos, do governo, da polícia. Também acontece quando a comunidade cristã não tem acesso às Escrituras e a outros materiais religiosos.

No final deste estudo, falámos um pouco sobre o país que lidera o top da perseguição mundial há já 15 anos: a Coreia do Norte. Neste país, o trabalho cristão é praticamente impossível e ser portador de uma Bíblia é arriscar a vida.

Todos os dias, temos notícias actualizadas no site Open Doors, uma organização internacional que trabalha nestes países, dando todo o tipo de apoio a estes cristãos. Não percam a possibilidade de estar informados e intercederem por qualquer parte do mundo.



18 abril 2017

Amanhecer de Páscoa com uma certeza inabalável

A morte foi derrotada, e graças a essa vitória alcançada por Jesus, temos verdadeira vida e uma esperança cheia de certeza num futuro eterno.

Vivermos num país em que podemos ir para a rua cantar, recordando as mulheres que encontraram o sepulcro vazio, é uma dupla alegria e enorme responsabilidade. Em países como a Coreia do Norte, Egipto, China, Nigéria, Afeganistão e muitos mais, há cristãos que não podem sequer ter uma Bíblia. Nós podemos, por isso acordar às 5 da manhã é um privilégio, um enorme privilégio!




15 abril 2017

Somos livres hoje, e continuaremos a ser livres amanhã.

A nossa liberdade foi comprada na cruz.
"Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. "

Isaías 53:3-5