23 maio 2017

Envelhecer


Ainda dizem que envelhecer não é bonito...

19 maio 2017

!

"Olha o George Markl! Não, é o George. Ai, é o Markl..."


(Caleb, no dia em que fez 7 anos, a apontar para este cartaz.)

Verdadeiros amigos são difíceis de encontrar.

Qual a essência da amizade cristã? Será que o nosso conceito de amizade, baseado na empatia e semelhança de gostos, que esfria rapidamente com desencontros, é uma amizade cristã, ou uma amizade traçada pelos padrões do mundo?. Este artigo ajuda a esclarecer.
São mais chegados do que família, e geralmente, são quem te conhece melhor. Oram por coisas maiores para ti do que tu mesmo. Acreditam em ti quando a tua fé é fraca. Arranjam sempre um espacinho para ti quando a vida desmorona, e alegram-se contigo quando tudo está bem. Mais importante ainda, os verdadeiros amigos lembram-te constantemente quem e o quê é o mais importante.

A essência da amizade cristã é um relacionamento forjado no fogo por duas convicções:

1) Só Jesus pode satisfazer a alma
e
2) O reino de Deus é a única coisa para a qual vale a pena viver.

INIMIGOS DISFARÇADOS?

A amizade cristã é um tesouro porque nos ajuda a  apegarmo-nos ao nosso maior tesouro.

Jesus é o nosso pão da vida, a nossa água viva, a nossa pérola de grande valor, a nossa luz, a nossa ressurreição, a nossa própria vida. O maior perigo para as nossas almas é que possamos abandonar a nossa permanência nele , que deixemos de o seguir, que deixemos de procurar a nossa alegria nele.
Portanto, o melhor presente que um amigo nos pode dar é um compromisso de lutar pela nossa alegria e comunhão com Cristo.

Por outro lado, a pior distorção da amizade surge quando um amigo nos encoraja, consciente ou inconscientemente, a colocar as nossas afeições noutro lugar. O apóstolo Pedro, sem querer, representou esse tipo de distorção em Mateus 16. Jesus diz aos discípulos que irá morrer e ressuscitará (Mateus 16:21). Pedro repreende Jesus com o que certamente foi um comentário bem-intencionado de um amigo sincero: "Longe disso, Senhor! Isto nunca te acontecerá!"(Mateus 16:22).

Parece a mais profunda, mais genuína e mais bela forma de amizade, mas as palavras de Pedro colocam Jesus e a sua obediência ao Pai em causa. A ignorância de Pedro transformou um amigo em inimigo, pelo menos por instantes. "Para trás de mim, Satanás! Tu és uma pedra de tropeço"(Mateus 16:23). O que Pedro achou útil, Jesus chamou de obstáculo. O que Pedro assumiu como uma amizade piedosa, Jesus chamou de oposição satânica.


CINCO MARCAS DA AMIZADE CRISTÃ

Então, como podemos evitar o erro de Pedro nas nossas amizades? Como podemos ser um amigo que preserva e fortalece a fé dos outros? Aqui estão cinco maneiras distintas como verdadeiras amizades cristãs podem reforçar o nosso amor por Cristo através do nosso amor uns pelos outros.

1. Os verdadeiros amigos aumentam a nossa alegria em Deus.

A companhia aprofunda sempre a alegria. O meu filme favorito é bom quando o vejo sozinho, mas é melhor com um amigo. De alguma forma, uma grande refeição é mais saborosa ainda quando compartilhada. Naturalmente arrastamos os nossos amigos para o que gostamos: "Tens que ver este filme!", "Tens de vir a este restaurante comigo!"

Mas de todas as alegrias da vida, Deus é a maior delas todas! Fomos feitos para ele - para desfrutá-lo e centrar os nossos corações e vidas nele. E, como qualquer outra alegria, a nossa alegria em Deus será mais plena quando a compartilharmos com outras pessoas. Amigos cristãos ajudam-nos a desfrutar de Deus, desfrutando-o connosco.

É tentador inverter e distorcer esta fórmula usando Deus como um meio de desfrutar mais as pessoas. Se nós só vamos a ele para pedir que desfrutemos mais os nossos cônjuges, amigos ou filhos, isto revela que vemos Deus como um meio para chegar a outra pessoa. Devemos fazer o contrário: procurar mais dele nas outras pessoas. Ironicamente, gostaremos mais dos nossos amigos, mais das nossas amizades se eles ou elas se tornarem um meio de desfrutar mais e melhor de Deus.

2. Os verdadeiros amigos expõem o pecado em nós e que nos mantém afastados de Deus.

"Leais são as feridas feitas pelo amigo, mas os beijos do inimigo são enganosos." (Provérbios 27: 6)

O pecado engana-nos. Escurece o nosso entendimento e  torna-nos tolos. Tanto que podemos estar  em pecado e convencidos de que estamos a obedecer a Deus (lembra-te dos fariseus). É por isso que precisamos desesperadamente de amigos.

Precisamos de amigos para nos mostrar amorosamente o nosso pecado. Precisamos de amigos para nos ajudar a ver os nossos pontos cegos. Precisamos de amigos para falar com honestidade brutal (Mateus 18:15) e terna compaixão (Gálatas 6: 1), dizendo-nos a verdade sobre nós mesmos, mesmo quando não queremos ouvi-la (Efésios 4:15).

Esta é uma função vital da comunidade que poucas pessoas querem. Geralmente preferimos ter amigos que nos dizem o que queremos ouvir, que nos mostram a falsa graça de desculpar o pecado e nos dão a falsa esperança de que podemos aproximar-nos de Deus sem arrependimento. Mas porque o pecado é um veneno para as nossas almas e um ladrão da nossa alegria em Deus, não podemos permitir-nos abandonar esse tipo de amizade.

3. Os verdadeiros amigos encorajam-nos a obedecer a Deus.

"E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras" (Hebreus 10:24, ver também Hebreus 3:13)

Embora seja verdade que precisamos de amigos para nos ajudar a ver a desobediência, também precisamos deles para nos encorajar à obediência. Muitas vezes, a obediência a Deus exige mais coragem do que que aquela que conseguimos ter sozinhos. Sem a palavra animadora e fiel dos amigos cristãos, facilmente nos encolhemos numa apatia, não querendo deliberadamente desobedecer, mas também com muito medo de avançar.

O incentivo que nos é dito para dar não é elogio fácil, ou inspiração superficial. Encorajar é dar coragem e força aos outros para a tarefa intimidante que têm de enfrentar. Como amigos, damos-lhes uma visão ampliada da importância que a sua obediência tem para o reino de Deus. Afirmamos que a sua obediência glorifica a Deus e conta na eternidade.Seja qual for a forma, o incentivo motiva os outros a continuarem a correr a corrida específica que Deus traçou para eles.

4. Os verdadeiros amigos levam-nos a Deus no meio da nossa fraqueza.


"Vieram alguns homens trazendo um paralítico numa maca e tentaram fazê-lo entrar na casa, para colocá-lo diante de Jesus.
Não conseguindo fazer isso, por causa da multidão, subiram ao terraço e o baixaram em sua maca, através de uma abertura, até o meio da multidão, bem em frente de Jesus."
(Lucas 5: 18-19)

Caminhar pela vida num mundo que despreza Deus, com a nossa carne dominada pelo pecado, contra um inimigo dominado pelo inferno, torna-se muito difícil viver as tentações sozinho. Sozinhos, acreditamos facilmente nas mentiras de Satanás. Sozinhos, nós nos curvamos sob o peso do nosso pecado. Sozinhos, ficamos desanimados e cansados. Como o paralítico, precisamos da ajuda de outros crentes para sermos levados a Deus.

Então, como podemos trazer outros a Deus? Ouvimos uma irmã confessar um pecado oculto e ajudamo-la a ser lavada com a verdade que Cristo a purificou e a fez completa. Podemos satisfazer as necessidades práticas daqueles que sofrem um sofrimento intenso, em nome de Jesus. Ou podemos simplesmente trazer os nossos amigos a Deus em oração, pedindo-lhe para fazer coisas maiores nas suas vidas do que nós podemos fazer por eles.

5. Os verdadeiros amigos amam-nos para a glória de Deus.

"Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus." (1 Coríntios 10:31)

A ideia do mundo de intimidade na amizade é criar muita dependência uns dos outros: "Eu não posso viver sem ti!" Cumprimentos e promessas de devoção rapidamente dão uma breve e falsa adrenalina destituída de importância e significado. Certamente, precisamos encorajar-nos uns aos outros, mas os amigos cristãos devem estar muito mais concentrados no peso e no significado de Deus - não no seu próprio ou dos seus amigos.

Como tudo mais, o objetivo final das nossas amizades deve ser Deus e a sua glória. Uma vez que os nossos corações são propensos a vaguear e adorar outras coisas, precisamos desses lembretes constantes da sua glória e do seu valor nas nossas amizades.

Artigo de Kelly Needham, traduzido livremente por mim.

18 maio 2017

Presentear

Temos uma conversa recorrente cá em casa sobre o grau de critério que um presente deve ter. Há quem ache que não faz sentido dar algo que não gostemos mesmo. Pois eu prefiro que aquilo que vou dar seja do meu agrado também, mas nem todos gostamos das mesmas coisas e portanto, desde que não choque com nenhum princípio ou valor, o meu critério ao escolher ou fazer um presente é mesmo quem o vai receber.

No meu aniversário recebi um presente exactamente com estes critérios. Uma amiga mesmo querida que tenho, mas que não partilha da mesma fé que eu, fez este quadro para me oferecer. Não é tão bonito? Eu gosto muito, muito, muito.




16 maio 2017

Mamã

(Mamã)

Vivemos numa época tão corrida que parece que os dias especiais têm de ser altamente comemorados. As festas temáticas, os eventos inesquecíveis, um sem fim de memórias que parece que se vão como vieram. Não sei se é assim, mas aos meus olhos parece-me um bocadinho que esta obsessão com o "tempo de qualidade" seja muito derivado do sentimento de culpa de não haver "tempo normal" mas muita falta dele.

Já disse antes que sou uma pessoa de datas, e gosto de comemorações. Mas não necessariamente as muito tradicionais. Gosto de recordar de formas diferentes cada data e ano específico, e - imaginem! - até alturas em que por algum motivo a comemoração não foi comemoração nenhuma e estivemos apenas.

Portanto, quando há obrigação do "tem de ser", ofereço alguma resistência. Talvez também por ter crescido sem valorizar muito as datas que se institucionalizaram. O dia da mãe (ou das mães, que isto dava pano para mangas) não ganhou uma carga por aí além quando me tornei mãe. Mas se é para agradecer, quero estar lá com prontidão. E sou muito agradecida pela mãe cristã que Deus me deu, e porque ainda a tenho comigo e é avó dos meus netos.

15 maio 2017

Trazer beleza para dentro de casa






O Caleb fez 7 anos

Quando lhe perguntámos o que gostaria de fazer como comemoração do aniversário, respondeu que queria ir connosco ao cinema. E à pergunta: "Há alguma prenda que gostasses de ter?"
respondeu:

"Não. Pensas assim: o Caleb ia gostar muito disto! E compras!"



08 maio 2017

Conhecer, ouvindo as histórias em primeira mão.

Na Igreja da Lapa temos uma tradição, já com algum tempo, de ouvir histórias de vida. Tantas vezes nos conhecemos mal e temos ideias acerca do presente que não têm assim tanto a ver com o passado.

Quando ouvimos o percurso de alguém, testemunhamos não apenas o que aquela pessoa é, mas sobretudo o que Deus tem feito com ela, tanto nos momentos em que não quis saber de Deus, como nos momentos em que se rendeu a ele. Os testemunhos são poderosos por isso mesmo. Conferimos o sentido de humor divino e acreditamos que qualquer coisa é possível, basta Deus querer.

Ouvir acerca da graça, da misericórdia, da correcção e do amor do Pai na vida da Hannah foi o que fizemos o sábado passado.






A Hannah é americana, mas cresceu no Quénia, e veio para Portugal em 2008, juntamente com o Mark e as três filhas, com a visão de colaborar com a evangelização em Portugal. Servem na Igreja da Lapa e têm sido preciosos no apoio, visão, amor, crescimento.

 Fotos de Patrícia Leal.

03 maio 2017

Maria Ana

Foi-nos dada uma filha há 13 anos. Na verdade, ela foi-nos emprestada por quem a inventou e um dia nos pedirá contas. Se é verdade que a Bíblia promete coisas bonitas a quem educa bem os seus filhos, por outro reforça que nada está nas nossas mãos. Difícil, este equilíbrio entre responsabilidade e descanso. Dependemos sempre mais, mais, mais. As noites já não nos são interrompidas nem nos doem as costas com o peso a carregar. Mas pesa-nos a incerteza do que virá, numa mistura de alegria pelo que já é, e espanto do tanto que já se viveu. Agarramo-nos a quem nos sustenta, dia após dia. A gratidão é muita.