13 dezembro 2017

Advento, dia 13.



Depois da morte de Moisés, Deus deu um novo líder ao povo. O seu nome era Josué, que significa: “O Senhor salva”. Josué iria guiar o povo de Deus para entrar na terra especial que ele tinha prometido.

Por esta altura, o povo já estava no deserto há 40 anos! Podes imaginar o quão fartos eles estavam de areia, de calor e de viver em tendas. E quão felizes estavam de chegar agora ao fim do deserto e avistar a casa bonita que iriam ter. Estava mesmo ali à sua frente, amena e verdejante. Mas havia um problema.

Jericó.

Jericó era uma cidade – mas não era apenas uma cidade antiga. Era uma fortaleza que impedia qualquer um de entrar na terra. O povo olhou para Jericó. Para as enormes e assustadoras paredes ao seu redor. Para as suas grandes muralhas. Para os seus pesados portões de aço. E olharam uns para os outros. O que é que iriam fazer? Ninguém sabia. Mas Deus sabia. E Deus disse a Josué o que fazer. Mas Josué deve ter feito um ar surpreso, porque esta batalha que iriam travar era no mínimo estranha.

Deus tinha feito uma promessa ao seu povo. “Irei estar convosco sempre. Nunca, nunca vos deixarei. Se fizerem o que eu mando, as vossas vidas na nova terra serão felizes, e tudo vos correrá bem.”

Então Josué reuniu o exército. Tinham com eles as suas espadas, os seus escudos e as suas armaduras. Estavam preparados para lutar. Mas o plano não envolvia luta. O plano era acerca de confiar e fazer o que Deus queria.

O exército de Josué começou a marchar, marchar, marchar ao redor da cidade. “Estão demasiado assustados para lutar!”, disseram as pessoas de Jericó.

Mas estavam errados. O povo de Deus não estava assustado - estava a aguardar. A aguardar o que deveriam fazer a seguir.

No sétimo dia, Deus disse ao povo para marchar novamente, mas desta vez seriam sete vezes. No fim, deveriam gritar o mais alto que conseguissem. (Já alguma vez alguém te pediu para gritares o mais alto que conseguisses?) Então imagina este barulho multiplicado 39 999 vezes e percebes a ideia. Ensurdecedor!)


E assim que começaram a gritar, as pedras das muralhas fortes de Jericó, começaram a despedaçar-se, como se fossem feitas de areia.
Jericó desfez-se numa grande nuvem de pó.

E foi assim que o povo de Deus entrou na sua nova casa. Sem sequer precisarem de lutar – apenas marchar.

Josué disse: “Deus trouxe-vos a salvo até aqui. Vão fazer o que ele ordena?” 
E todos disseram: “Sim! Prometemos!”
“Apenas Deus vos pode fazer felizes”, disse Josué. “Não orem a deuses falsos”. “Não!”, disseram. ”Nunca!”

Mas infelizmente não cumpriram esta promessa. Não fizeram o que Deus queria durante muitos anos. Tal como Deus tinha avisado, as coisas não iriam correr bem para o povo. Iriam perder a sua casa. Os inimigos iriam capturá-los e torná-los escravos. E o povo de Deus iria andar espalhado por muitas terras.

Um dia, Deus iria dar ao povo um novo líder. E uma nova casa. Mas desta casa, já ninguém os poderia tirar.