14 dezembro 2017

Advento, dia 14.


O povo de Deus tinha uma nova terra. E agora queria um rei.

“Mas o vosso rei é Deus”, disse Samuel. “Apenas ele pode cuidar de vocês como mais ninguém.”

“Mas nós queremos um rei a sério, um rei que possamos ver com os nossos olhos!”

Deus sabia que ter um rei poderia significar que nem sempre cuidaria bem do povo, mas o povo não queria saber disso. Eles queriam um rei, e queriam um rei já! Então Deus fez-lhes a vontade.

Este rei chamava-se Saul e parecia ser um bom rei, pelo menos ao início. Mas depressa se tornou orgulhoso e deixou de ouvir Deus. Não obedecia nem amava Deus com todo o seu coração.

“Saul não me pode ajudar no meu plano”, disse Deus. “Preciso de um rei que me ame e que ensine às pessoas como me amar. Preciso de um bom rei.”


Deus já tinha um em mente. “Vai a Belém”, disse a Samuel. “Vais encontrar o novo rei por lá”. (A profissão de Samuel era ouvir Deus e dizer às pessoas o que ele lhe contava.)

Então Samuel foi até à pequena cidade de Belém. Deus disse-lhe para ir a casa de Jessé. Deus iria escolher um dos filhos dele para ser o novo rei.

Jessé tinha 7 filhos muito fortes. Naqueles dias, para se ser rei, não era necessário ser-se rico, ou o mais inteligente (embora isso desse algum jeito). Tinha de se parecer como um rei, o que significava que era importante ser-se alto e bem constituído. (Assim era possível envergar a armadura e as espadas prontas a derrubar qualquer inimigo.) E já agora, se fosse bonito, também ficava bem.

Samuel pediu a Jessé que trouxesse cada um dos seus filhos, à vez. Então, Jessé trouxe o filho mais alto, mais forte e mais velho. “Este deve ser o novo rei”, pensou Samuel. “Parece-se mesmo com um.”Mas Deus não escolheu este filho.
“Samuel, estás a olhar para o exterior”, disse Deus, “mas eu olho para o interior. Para o seu coração, para como se parece por dentro”.

Então, Jessé mostrou-lhe o segundo filho mais velho, mais bem parecido, mais bem constituído. Mas Deus também não escolheu este filho. Na verdade, Deus não escolheu nenhum destes sete filhos.

Samuel perguntou: “São estes os teus filhos?”
Jessé riu-se. “Bom, ainda tenho o mais novo, o pequenino da família, um jovenzinho”.
“Tragam-no!” disse Samuel.
O filho mais novo apareceu a correr, e Deus falou suavemente a Samuel: “É este.” Chamava-se David.
“Ele tem um coração como o meu”, disse Deus. “É cheio de amor. Ele vai ajudar- me no meu plano secreto de resgate. E um dos filhos dos filhos dos seus filhos será o rei. E esse rei reinará para sempre”.

Mais tarde, David tornou-se mesmo rei. Deus escolheu David porque queria preparar o povo para um rei maior que estava para chegar.
Dessa vez, Deus diria: “Vão a Belém. Encontrarão lá o rei.” E numa noite estrelada em Belém, na cidade de David, três homens sábios iriam encontrá-lo.”