21 dezembro 2017

Advento, dia 21.



Alguma vez estiveste numa festa que durou uma semana inteira? E já alguma vez estiveste num sermão que tivesse durado um dia completo?
Bom, isso foi o que aconteceu ao povo quando deixaram de ser escravos. Tinham- se esquecido da maneira como Deus queria que eles vivessem, e quem era suposto que eles fossem.
Mas algo estranho aconteceu: quanto mais o sermão avançava, mais tristes eles ficavam. Porquê? Porque o sermão era aborrecido? Não. Porque era estranho. À medida que Esdras lia as regras, tudo parecia como um espelho, mostrando ao povo como é que ele era, e o povo não estava a gostar do que estava a ouvir. Viam que não estavam a viver da forma que deviam. Que eram maus e egoístas. “Estragámos tudo!”, diziam, “Agora Deus vai castigar-nos!”

Pensavam que sabiam o que Deus ia fazer. Mas não sabiam. Talvez tenham percebido pelo nome de Esdras, cujo significado é: “A ajuda está mesmo aqui!”. Ou até de um nome ainda mais forte, Neemias, que significa: “Deus limpará dos nossos olhos todas as lágrimas”. E isso, tal como verás, era isso que Deus se preparava para fazer.

Esdras olhou para as pessoas. Grandes e sentidas lágrimas escorriam-lhes pela cara. Parou o sermão e fechou o livro. “Vamos dar uma festa!” gritou.
E foi isso que eles fizeram toda a semana.
“Deus quer que sejamos felizes!” Esdras disse.
E durante um dia ouviram histórias acerca de coisas maravilhosas que Deus tinha feito pelo povo. De como ele tinha feito o mundo. Da promessa que tinha feito a Abraão. Como os tinha libertado da escravidão. Das instruções que tinha dado a Moisés. De como os tinha trazido para uma nova terra. De como os salvou – vez após vez – por causa do seu amor infinito.
Relembraram de como Deus, ao longo de tantos anos, tinha sido amoroso com o povo – cumprindo a promessa com Abraão, cuidando deles, perdoando-os. Mesmo quando desobedeciam. Mesmo quando fugiam dele. Mesmo quando achavam que não precisavam dele para nada.
E então, Deus disse ao povo uma coisa mais…
“Não consigo deixar de vos amar.

Vocês estão no meu coração.
Mas vocês estão perdidos.
Eu vou encontrar-vos.
Sou como o sol que brilha suavemente em vocês, afastando a escuridão, o medo e a morte. Vocês serão tão felizes – tal como bezerros a correrem livres pelos campos verdes.
Irei enviar o meu mensageiro – o prometido. Aquele que vocês esperam. O salvador.
Ele está quase a chegar, por isso, preparem-se!”

O tempo estava quase a chegar para se concretizar esta parte bonita do plano de Deus. O próprio Deus estava a chegar. Não para castigar o povo, mas para o resgatar. Deus preparava-se para limpar dos seus olhos todas as lágrimas. E a verdadeira festa estava prestes a começar…