03 dezembro 2017

Advento, dia 3.



Adão e Eva viviam felizes juntos na sua nova e bonita casa. Tudo era perfeito – pelo menos durante uns tempos, assim foi.

Até ao dia em que tudo correu errado. Deus tinha um inimigo horrível. O seu nome era Satanás. Satanás tinha sido em tempos um bonito anjo, mas ele não queria ser apenas um anjo. Ele queria ser Deus. Satanás foi crescendo no seu orgulho e maldade, até ao ponto em que Deus teve de o expulsar do céu. Satanás foi fervilhando de raiva, pensando em formas de magoar Deus. Ele na verdade queria parar o plano de Deus, parar com esta história de amor o mais depressa possível. Então, ele disfarçou-se de serpente e infiltrou-se no jardim.

Por esta altura, Deus tinha dado a Adão e Eva uma regra: “Não comam dos frutos daquela árvore ali. Porque se o fizerem, é sinal que pensam que conhecem tudo. É sinal de que deixaram de confiar em mim. E então, vocês conhecerão a morte, a tristeza e as lágrimas”.

(Sabes, Deus sabia que se eles comessem do fruto daquela árvore, eles pensariam que já não precisavam dele. E tentariam ser felizes sem ele. Mas Deus sabia que não existe felicidade sem ele, e vida sem ele não seria vida de todo.)

Assim que a serpente teve oportunidade, ela deslizou silenciosamente até perto de Eva. “Será que Deus te ama?” a serpente sussurrou. “Se ele te ama, então porque é que não te deixa comer desse fruto apetitoso? Coitadinha de ti, talvez Deus não queira que sejas feliz”.

As palavras da serpente como que assobiaram aos ouvidos de Eva, e afundaram-se no seu coração, instalaram-se como veneno. “Será que Deus me ama?” Eva questionou-se. De repente, ela já não tinha mais certezas acerca disto.

“Confia em mim”, disse a serpente sorrateiramente. “Tu não precisas de Deus. Basta uma pequenina dentada, será o suficiente para seres mais feliz do que alguma vez imaginaste…”

Eva pegou no fruto e comeu um pedaço. De seguida, Adão fez o mesmo. E uma terrível mentira instalou-se no mundo! Uma mentira que nunca mais acabaria. Uma mentira que viveria no coração de todas as pessoas, sussurrando-lhes: “Deus não te ama”.

E de repente, eles não estavam num sonho, mas num pesadelo. Uma pomba voou da mão de Adão, um pássaro saiu disparado da sua árvore. Era como se estivessem assustados com algo. Um ambiente gelado pairava no ar. Algo de estranho estava a acontecer. Adão e Eva sempre tinham estado nus, mas agora estavam nus e sentiam-se embaraçados, não querendo que ninguém os visse. Então, esconderam- se.

Ao final desse dia, Deus passeava – como era costume – pelo jardim. “Filhos?”. Habitualmente, Adão e Eva adoravam ouvir a voz de Deus e iam logo a correr ter com ele. Mas desta vez, eles fugiram dele e esconderam-se atrás de uns arbustos.

“Onde estás?” perguntou Deus.
“Aqui, escondido”, disse Adão. “Ouvi a tua voz e fiquei com medo…”
“Comeste do fruto que eu te disse para não comeres?” disse Deus.
E Adão disse: “A Eva deu-me para comer!”
“O que é que fizeste?”, perguntou Deus.
E Eva respondeu: “A serpente obrigou-me!”

Deus sentiu uma dor profunda. Os seus filhos não só tinham quebrado a regra, como despedaçado o coração de Deus. Tinham cortado para sempre com o maravilhoso relacionamento que tinham com ele. O mundo nunca mais seria igual. A criação de Deus tornar-se-ia, também, imperfeita, e a partir deste momento tudo morreria.Como podes ver, o pecado entrou no mundo perfeito de Deus. E nunca mais sairia. Os homens e as mulheres passariam as suas vidas a fugir de Deus, e a esconder-se dele. Os seus corações ficariam manchados com o pecado, e nunca mais funcionariam da mesma forma. Deus não podia que Adão e Eva vivessem para sempre, não sem ele. Havia apenas uma forma de os proteger.

“Vocês vão ter de deixar o jardim agora. Esta já não é a vossa verdadeira casa, já não é o sítio
para vocês”.
Mas mesmo antes de saírem do jardim, Deus fez roupas para cada um deles. Pegou neles, agasalhou-os, encaminhando-os para uma longa, longa viagem, distante da sua casa.
Bem, noutra história qualquer, este seria o FIM…

Mas não nesta história.Deus amava demasiado Adão e Eva para deixar que a história acabasse assim. Mesmo sabendo que eles iriam sofrer, Deus tinha um plano – um plano magnífico! Um dia, ele iria trazer os seus filhos de volta. Um dia, ele iria transformar o mundo numa casa perfeita, novamente. E um dia, ele limparia dos olhos deles todas as lágrimas.

Sabes, não importa o quê, o amor de Deus não acaba nunca. É eterno, persistente, inquebrável e permanente.E mesmo que Adão e Eva, e todos os homens e mulheres que viessem a nascer depois deles, fugissem dele, e tivessem o coração longe dele, no seu íntimo, todos sentiriam vontade de estar com Deus, e desejariam adorá-lo – como crianças perdidas e com saudades de casa.

Antes de deixarem o jardim, Deus prometeu algo a Adão e Eva: “Não será sempre assim! Um dia darei cabo da serpente. Livrar-me-ei do pecado, da escuridão e da tristeza que vocês permitiram que chegassem aqui. Eu voltarei um dia!”

E ele voltaria mesmo. Um dia, o próprio Deus chegaria a este mundo.

Traduzido de "The Jesus Storybook Bible" - Sally Lloyd-Jones